Versão em Português English Version
Associação de Educação Financeira do Brasil

YouTube Vimeo Facebook Twitter

Associação de Educação Financeira do Brasil

Projeto de educação financeira tira pessoas de baixa renda do vermelho

Folha de S. Paulo

Durante boa parte da vida, a aposentada Maria Amélia Aparecida Rodrigues, 61, viveu no vermelho. Fazia compras por impulso e mantinha vários empréstimos consignados ao mesmo tempo.”Cheguei a dever R$ 1.500 só de juros no cheque especial”, diz. A situação mudou em 2016, quando participou de um projeto-piloto de educação financeira. Durante encontros em uma entidade assistencial de Campinas (SP), onde mora, ela e outros aposentados tiveram orientações de como lidar melhor com o dinheiro.

Segundo ela, o curso serviu para “acordar para a vida” e mudar a relação com as finanças.”A impressão é que durante a vida inteira joguei dinheiro no lixo”, afirmou. “Agora não compro nada se não estiver realmente precisando. Fiz um esforço para quitar dívidas e já voltei ao azul no cheque especial.”

O aposentado Benedito Damaceno, 69, de Avaré (SP), terminou em fevereiro a oficina de educação financeira. “Eu não tinha noção do que gastava nem sabia economizar. Agora coloco tudo no papel e não deixo mais as contas atrasarem”, afirma.

Ambos participaram das oficinas desenvolvidas pela AEF-Brasil, entidade que coordena projetos da Estratégia Nacional de Educação Financeira, lançada pelo governo federal em 2010.

Financiadas pelo BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento) e pela Citi Foundation, as oficinas atenderam 1.500 aposentados com renda de até dois salários mínimos e 1.500 mulheres beneficiárias do Bolsa Família.

A previsão é que mais 5.000 adultos sejam atendidos até 2018.
Nas oficinas, os participantes aprendem a registrar seus gastos e a cortar despesas desnecessárias. Também recebem dicas para economizar, como lavar e passar um maior número de roupas por vez e pegar o troco de uma compra, mesmo que sejam centavos, em vez de balas.

Poupar dinheiro para realizar sonhos, como pagar uma faculdade para o filho ou fazer uma viagem, é outro ponto abordado nos cursos. Jéssica Luana Ramos de Lima, 24, beneficiária do programa Bolsa Família, fez a oficina no ano passado, em São José dos Campos (SP).

Agora, ela pensa duas vezes antes de comprar. “Por exemplo: se eu ainda tenho um xampu, só vou comprar outro quando acabar. “Com as orientações que recebeu, ela começou a vender cachorro-quente e a trabalhar como manicure para aumentar a renda.

Como Maria Amélia, Damaceno e Jéssica, grande parte dos brasileiros não teve nenhum acesso à educação financeira ao longo da vida. O resultado é o alto nível de endividamento das famílias.

“As pessoas atendidas no projeto descobriram que iniciativas simples fazem muita diferença no orçamento familiar”, diz Claudia Forte, superintendente da AEF-Brasil. Ela destaca a importância da educação financeira para adultos, e não somente para crianças e adolescentes.

Segundo a CNC (Confederação Nacional do Comércio), 57,9% das famílias estão endividadas. O percentual daquelas que possuem dívidas ou contas em atraso chega a 23,7%.

Link original da matéria: http://www1.folha.uol.com.br/mercado/2017/04/1878210-projeto-de-educacao-finance…

 
Publicado em: 25/04/2017
site: Folha de São Paulo

Associação de Educação Financeira do Brasil
Av. Brigadeiro Faria Lima, 1461 – 2º Andar/ Conjunto 21 – Torre Sul – Jardim Paulistano – São Paulo (SP) - CEP 01452-002
Tel. + 55 (11) 3186 6982
Todos os direitos reservados. Favus Design For Business.